Cara-metade?

May 15, 2011 by

Hoje gostaria de falar sobre algo que tenho que lidar diariamente em meu trabalho: auxiliar (principalmente mulheres) a se reconhecerem como indivíduos inteiros, e não como metades que buscam sua completude em outro alguém.

Com frequência, as pessoas só se dão conta da gravidade dessa expectativa quando o relacionamento começa a não ir bem. Aparece muita frustração, muita cobrança e um vazio enorme. E aí é preciso reaprender a viver. Às vezes as pessoas só se dão conta quando o outro vai embora. E aí o luto é maior do que podemos imaginar. Não é só uma questão de perder o companheiro, é também uma questão de perder uma forma de viver.

Uma coisa é você estar com alguém porque quer. Outra bem diferente é você estar com alguém porque precisa. Então muito cuidado para não se perder em uma “con-fusão” amorosa, e deixar seu projeto de vida de lado, e passar a viver a vida do outro. O melhor mesmo é que dois inteiros escolham ficar juntos e se incentivem mutuamente na famosa “auto-realização”.

Posts relacionados

Tags

Compartilhe

Comentários

  1. E um dia as pessoas descobrem que são faltantes sozinhos. E que são faltantes igualmente, acompanhados.

    significantess.blogspot.com

  2. Renata Bertolucci

    Estava precisando ler estas palaras…muito obrigada Ana!!!

  3. Renata Bertolucci

    corrigindo: palavras

  4. Ana Luisa

    Ana, adorei seu comentário!

  5. O Gajo

    “Não é só uma questão de perder o companheiro, é também uma questão de perder uma forma de viver”

    Normal: As epífitas têm esse problema :)

  6. Pois é, pois é…. a tal simbiose =)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail