Anorexia Nervosa

Sep 9, 2009 by

anorexia

UMA PERSPECTIVA DA PSICOLOGIA CORPORAL ACERCA DO SISTEMA IMUNOLÓGICO NA ANOREXIA NERVOSA

Ana Luísa Testa

Pesquisas recentes em psiconeuroimunologia mostraram que o sistema imunológico de pessoas com anorexia se comporta de maneira distinta dos demais. Ele foi considerado um sistema imunológico irrespondente, mas ainda não se sabe a causa. A hipótese lançada por pesquisadores da psiconeuroimunologia é a de que o padrão esquivo encontrado em indivíduos com anorexia pode ser observado tanto em nível comportamental – caracteriológico – como também em seu sistema imune, que não faz contato com estímulos que poderiam modulá-lo, ou seja, estímulos neuroendocrinológicos, metabólicos e farmacológicos. Essa rigidez e isolamento imunológico descrito pela psiconeuroimunologia encontra respaldo na teoria da psicologia corporal, e esse artigo procura abordar o tema utilizando parte dessa teoria para reforçar a hipótese levantada anteriormente.

Palavras-chave: Anorexia nervosa, Caracteriologia, Psiconeuroimunologia, Neuroimunomodulação.

O corpo humano e a vida, de um modo geral, são estudados sob diversas perspectivas teóricas e, quanto mais se aprende sobre eles, mais especialidades são criadas. Dessa forma, as disciplinas especializadas vão aprofundando o conhecimento a respeito do seu campo de estudo e muitas vezes chegam a um entendimento restrito sobre a dinâmica dos organismos vivos. Algumas disciplinas têm, então, procurado interligar diferentes campos de estudo e compreender a forma como eles se relacionam. Esse é o caso da psiconeuroimunologia: ciência que estuda as relações entre emoção, sistema nervoso e sistema imune, bem como a maneira pela qual um é capaz de modular o comportamento do outro.

Existem muitas evidências sobre a interação psiconeuroimunológica, tais como as semelhantes funções de avaliação, de proteção e de defesa do organismo em relação ao mundo externo; a aprendizagem e a aquisição de memória pela experiência; e a adaptação do indivíduo objetivando a continuação de sua existência (BALLONE, 2005a).

Uma das relações mais estudadas em psiconeuroimunologia é a forma como o estresse emocional afeta nossa imunidade. Já em 1943 foi descrita a relação entre estresse emocional e a presença sérica de hormônios da supra-renal – cortisol, adrenalina e noradrenalina – em grande quantidade. (BALLONE, 2005b) O cortisol, a adrenalina e a noradrenalina são liberados em nossa corrente sangüínea toda vez que nosso organismo passa por uma situação de alarme. Ambos são responsáveis por uma série de adaptações em nosso corpo para potencializar nossa defesa, através de comportamentos de luta ou fuga, atuando inclusive no preparo do sistema imunológico para combater possíveis invasores. Por seu caráter adaptativo o estresse também é chamado de Síndrome Geral de Adaptação (HAJAR, 2006).

Essa idéia de estresse como uma resposta adaptativa é perfeitamente coerente com a importância que ele tinha – e ainda tem – para a preservação do indivíduo em um ambiente hostil, com ameaças reais a sua vida. Entretanto, nosso ambiente mudou consideravelmente nos últimos dez mil anos, período muito curto para ocorrer evoluções orgânicas significativas em nossa espécie. Temos então um ambiente repleto de estímulos estressores, que em pouco lembra nosso habitat de outrora. A maioria dos estímulos considerados estressores na atualidade nada tem de ameaçador à manutenção da vida e o ser humano começou a conviver com o estresse crônico e suas conseqüências diariamente.

O estresse pode ser observado em três fases diferentes que se sucedem: o alarme, a resistência e o esgotamento. A fase do alarme é caracterizada por um aumento na eficiência da defesa do organismo e do sistema imunológico, através de mecanismos específicos, que não serão descritos nesse trabalho por não fazer parte do objetivo do mesmo. Quando essa situação de exposição do corpo a estímulos estressantes é prolongada, ele entra em estágio de esgotamento e sua capacidade adaptativa de defesa é reduzida, provocando a supressão do sistema imunológico (HAJAR, 2006).

É importante destacar dois pontos fundamentais nessa discussão sobre psiconeuroimunomodulação: o estímulo por si só não pode ser considerado estressor a priori – o que o torna estressor é a interpretação subjetiva que o indivíduo exposto lhe atribuí (BALLONE, 1995b). O outro ponto, que será descrito com mais detalhes a seguir, é que a relação entre estresse crônico e imunodepressão deveria acontecer em todos os indivíduos, mas não é o que ocorre no organismo do anorexico. De alguma forma, seu sistema imunológico não reage da mesma maneira ao estresse crônico, permanecendo inalterado.

Semelhante situação ocorre nos casos de desnutrição severa. Brambilla (2001) aponta que, nesses casos, o organismo tende a ter sua capacidade imunitária reduzida e isso também não é observado em quadros de anorexia nervosa. Em pesquisas realizadas em sujeitos com anorexia, os hormônios do estresse foram encontrados em alta quantidade em seus corpos, assim como um alto grau de desnutrição, mas o sistema imunológico não havia se deprimido (BRAMBILLA, 2001).

Por qual razão o sistema imunológico não é modulado por estímulos metabólicos, neuroendócrinos ou até mesmo farmacológicos nos casos de anorexia nervosa? A hipótese que Brambilla (2001) levanta é que existem paralelos entre a forma como os anoréxicos e seus sistemas imunes se comportam: ambos são rígidos e evitam entrar em contato com estímulos externos, encontrando maneiras de permanecerem isolados da realidade.

Há quem possa pensar que o fato do sistema imunológico permanecer irrespondente seja uma vantagem ou um sinal de manutenção da homeostase naqueles que apresentam anorexia nervosa. Para desmistificar essa idéia, é importante rever o conceito de homeostase: ela não é sinônimo de equilíbrio, mas sim de processos dinâmicos, relativamente equilibrados. Um corpo irrespondente, incapaz de adaptar-se aos estímulos que o cerceiam, é um corpo estático, inanimado. A manutenção da homeostase depende do desequilíbrio para novamente se ordenar de forma adaptada (VASCONCELLOS, 2000).

Retomando a hipótese de Brambilla (2001): para entendê-la, é preciso olhar para a anorexia e procurar quais são suas principais características. Primeiramente, anorexia não é o termo mais adequado para designar o quadro, já que o significado da palavra seria “falta de apetite”. As pessoas com anorexia não apresentam falta de apetite: o que elas possuem é um forte autocontrole em relação a alimentar-se, apesar da fome e da vontade. Elas também apresentam um intenso medo de aumento de sua massa corpórea e freqüentemente possuem uma perturbação significativa na percepção do esquema corporal, ou seja, a interpretação de seu corpo não corresponde à realidade (BALLONE, MOURA,1995).

Freqüentemente, além da recusa alimentar, os anoréxicos podem induzir o vômito, abusar de laxantes e diuréticos e praticar exercícios físicos de forma intensa para evitar o ganho de peso. Não raro, existem episódios de compulsão alimentar, seguidos de purgação e atividade física compensatória. (BALLONE, MOURA,1995).

Ainda na esfera comportamental, o contato social é evitado, especialmente em situações que envolvam a atividade de alimentar-se em público. Existe uma grande dificuldade em adaptar-se a papéis sociais e estabelecer vínculos afetivos e, por essa razão, muitos anoréxicos passam desapercebidos, só recebendo tratamento numa fase muito avançada do quadro.

A grande maioria dos pacientes mantém alterações psicológicas ao longo de toda a vida, tais como dificuldades de adaptação conjugal, papel materno mal elaborado, adaptação profissional ruim e desenvolvimento de outros quadros psiquiátricos, notadamente a depressão (BALLONE & MOURA, 2005).

Quando observamos esse quadro geral da anorexia e tentamos entendê-lo pela perspectiva que a psicologia corporal tem do desenvolvimento emocional do homem, encontramos algumas características que chamam a atenção: o medo, a recusa e a compulsão alimentar, o contato social empobrecido, a dificuldade em estabelecer vínculos afetivos, o papel social mal elaborado, a dificuldade de compreender a realidade e muitas vezes também a depressão. Essas características são tipicamente encontradas em indivíduos com comprometimentos nos estágios ocular e oral – indivíduos com um duplo núcleo psicótico.

Prosseguindo com a leitura da anorexia nervosa pela psicologia coporal, temos a informação de que indivíduos com bloqueio ocular e bloqueio oral encontraram dificuldades em adaptar-se ao mundo logo no início de sua vida. O estágio ocular é o responsável pela estruturação do “eu”. Bloqueios nessa fase surgem quando o feto percebe o útero da mãe como um ambiente não aconchegante, e mesmo após seu nascimento, o mundo pode ser encarado como um lugar hostil, sem proteção. É na fase ocular que a criança estrutura o contato com a realidade e dá contorno às relações de afeto que serão estabelecidas durante sua vida, dependendo da qualidade das relações que foram estabelecidas com seus cuidadores. A criança precisa estabelecer relações de amor, aconchego e confiança, ou seja, sentir-se bem vinda ao mundo. Caso isso não ocorra, a criança desenvolve sua defesa de fechar-se para mundo, evitando o contato social e perdendo o direito de existir (NAVARRO, 1995a).

A rejeição ao mundo aparece na anorexia atarvés da recusa alimentar, como um bebê que recusa o peito da mãe. Muitas vezes, quando a mãe está estressada, seu leite fica amargo e a criança recusa-se a bebê-lo. E não é só a qualidade ou o sabor do leite que pode influenciar nessa rejeição ao alimento, mas também a forma como essa criança é alimentada (NAVARRO, 1995b).

Alimentar-se exprime também, para o recém-nascido, a necessidade de ser amado, tranqüilizado e a possibilidade de entregar-se ao repouso depois de saciado. Suas dificuldades alimentares são freqüentemente atribuídas à uma insegurança básica, pois uma relação sadia com a mãe envolve uma boa alimentação. Visto que a mãe é objeto de amor, sua perda real ou simbólica causa, no desenvolvimento psico-afetivo, uma condição depressiva [...] (NAVARRO, 1995b, p.52).

A deficiência no contato entre a mãe e o bebê é a base para a recusa alimentar no adulto, que pode ser entendida como uma recusa ao mundo extra-uterino (NAVARRO, 1995b).

Como foi colocado anteriormente, todos esses comprometimentos encontrados nos quadros de anorexia são decorrentes de situações geradoras de angústia, em que o sujeito precisou desenvolver mecanismos de defesa. Esses mecanismos não são exclusivamente psíquicos, mas também corporais. E no caso da anorexia essa defesa aparece pela necessidade de proteger-se da realidade, evitando o contato com o mundo externo de todas as formas possíveis. O organismo do anoréxico está retraído e se recusa a fazer parte da realidade na qual ele está inserido. Por essas razões a hipótese levantada por Brambilla (2001) de que o sistema imunológico de um sujeito com anorexia não faz contato é realmente possível e faz sentido quando a anorexia é entendida sob o ponto de vista da psicologia corporal. Logicamente, essa é apenas uma hipótese, que demanda mais estudo e discução entre os profissionais e pesquisadores que se interessam pela enorme e intrigante complexidade que é o ser humano.

REFERÊNCIAS:

BALLONE, G.J., MOURA, E.C. Anorexia Nervosa. In: PsiqWeb. 2005 Disponível em <http://www.psiqweb.med.br/>. Acesso em 03/04/08.

BALLONE, G.J. Psiconeuroimunologia: Emoção e Imunidade 1. In: PsiqWeb. 2005a. Disponível em <http://www.psiqweb.med.br/>. Acesso em 03/04/08.

BALLONE, G.J. Psiconeuroimunologia: Emoção e Imunidade 2. In: PsiqWeb. 2005b. Disponível em <http://www.psiqweb.med.br/>. Acesso em 03/04/08.

BRAMBILLA, F. Social Stress in anorexia nervosa: A review of immuno-endocrine relationships. Psychology & Behavior. Milan: n.73, p.365-369, Dez. 2001.

HAJAR, L. I. A. Psiconeuroimunologia e Psicologia Corporal: Interdisciplinaridade no entendimento das cardiopatias. Monografia de especialização – Programa de especialização em psicoterapia corporal. Curitiba: Centro Reichiano, 2006.

NAVARRO, F. Caracterologia Pós-Reichiana. São Paulo: Summus, 1995a.

NAVARRO, F. A Somatopsicodinâmica: Sistemática reichiana da patologia e da clínica médica. São Paulo: Summus, 1995b.

NAVARRO, F. Somatopsicopatologia. São Paulo: Summus, 1996.

VASCONCELLOS, E.G. Tópicos de Psiconeuroimunologia. São Paulo: Editorial Ipê, 2000.

Posts relacionados

Compartilhe

Comentários

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail