Os tipos de sonhos

Oct 12, 2011 by

Desde sempre o ser humano fica intrigado com o mundo dos sonhos. A cada noite dormida passamos por diversas histórias – algumas boas ou neutras, e outras terríveis….

Mas o que é o sonho? Ele tem alguma função?

Dentro da psicologia sabemos que quando uma pessoa é privada das fases do sono na qual os sonhos são produzidos (fase R.E.M.) isso provavelmente acarretará em transtornos mentais. As abordagens que consideram o inconsciente como uma parte da psique encaram os sonhos no mínimo como uma “faxina mental”. E em grande parte como um fiel retrato (ainda que alegórico) do inconsciente do sonhador, naquele momento.

E é justamente por isso que trabalhar com sonhos num processo analítico se faz tão importante. Além de nos trazer entendimento acerca dos processos que estão acontecendo num nível inconsciente, quando dirigimos uma atenção para os subterrâneos da psique, expandimos nossa consciência e a “pressão” do lado de lá diminui. O inconsciente quer ser conhecido. Ele nos força de várias maneiras (manifestando-se nos sonhos, nos sintomas, nos atos falhos, etc.) a olharmos para seu lado.

Algumas pessoas dizem que não sonham. Isso não é real. O mais provável é que não se lembrem do que sonharam, caso contrário já teriam enlouquecido!

Mas nem todos os sonhos são iguais, ou possuem a mesma fonte. Basicamente, dizemos que são de três tipos:

1. Sonhos que protegem nosso sono: esse mecanismo existe para que não despertemos sempre que um estímulo em nosso ambiente ou em nosso corpo se apresente. Quem já sonhou que ia ao banheiro fazer xixi, mas a vontade não passava, e depois acordou com a bexiga super cheia, sabe do que estou falando. Ou quem mora perto de aeroporto, e vive sonhando com aviões, também. Aquele estímulo é percebido e entra no enredo do sonho para que a pessoa continue dormindo.

2. Sonhos relacionados ao que foi vivido durante o dia, ou à alguma preocupação: esse tipo de sonho é o mais frequente. Quando estamos ansiosos com algo, preocupados, ou pensamos em certa pessoa ou assunto, normalmente esse conteúdo volta durante a noite e é processado, digerido e armazenado.

3. Sonhos que são “enviados” como mensagens do inconsciente: são sonhos com muitos simbolismos e conteúdos arquetípicos. Muitas vezes repetem de formas análogas mitos e conteúdos religiosos. Esses sonhos não acontecem com frequência em todas as pessoas. São os chamados “grandes sonhos”, com um alto teor simbólico e criativo. Podem sugerir idéias, direções e soluções que o consciente ainda não havia considerado. Os místicos os definem como “sonhos enviados pelo divino”.

Se dentro de minha visão de homem o identifico apenas com seu ego pouco valor darei às manifestações do inconsciente, e por consequência aos sonhos.  Se entendo o homem como parcialmente consciente, e parcialmente inconsciente, preciso atentar-me às manifestações desse mistério que o compõe. Olhar os sonhos é uma grande forma de criar relação entre essas duas instâncias da psique. E voltar os olhos para dentro, é redescobrir que temos um mundo interno que precisa de cuidados e trabalho dedicado. Gosto de sugerir aos meus pacientes que comprem um caderno e anotem seus sonhos. Além desse registro ser uma proteção contra o esquecimento fica ali uma história gravada, uma chance de voltar em qualquer momento para aquele mistério e ir decifrando – aos poucos – o que é que o inconsciente espera de nós. E a melhor forma de analisá-los – já dizia Jung – é em série. Isoladamente vemos apenas cenas fragmentadas da obra.

Ainda que você nesse momento não faça psicoterapia, sugiro que comece com seu caderno de sonhos. Por mais que não faça o trabalho analítico só isso já é dar atenção e valor ao seu inconsciente.

Abraços! Ana Testa

Comentários

  1. Olá Ana!
    Esse assunto me interessa bastante.
    Costumo ter com muita frequência sonhos que, como eu poderia dizer, são dotados de um enredo muito bem elaborado para um simples sonho. Que tem muito pouca relação com a minha vida, ao menos diretamente, pouca relação com a Lilie que esta sonhando. Histórias prontas e bem articuladas (se tirarmos os elementos oniricos mais absurdos), e que muitas vezes, acabo aproveitando para a minha escrita justamente por todo esse sentido que ele me parece carregar. Geralmente esses sonhos eu não consigo relacionar com a minha vida real por justamente não conseguir reconhecer os elementos que me são enviados pela conciencia como forma de sinal. Costumo dar especial atenção aos sonhos que tenho, ao seu enredo e a forma como minhas emoções reagem a ele durante o sonho e depois ao acordar, isso com a intenção de entender melhor o que esta acontecendo comigo a nivel da conciência. Mas com sonhos desse tipo que lhe descrevi me parece mais dificl. Minha dúvida: Como qualificar esses sonhos que são como filmezinhos criados pela minha conciência? Eles podem ser considerados como Grandes sonhos? E por que eu os tenho com tanta frequência?

  2. Oi Lilie,

    Que bom que você dá toda essa atenção e valor aos seus sonhos. Não saberia te dizer se seus sonhos são arquetípicos, eu teria que ouvir uma série deles para dizer qualquer coisa. Tem mais a ver com os conteúdos, que devem ser em sua essência, arquetípicos. Um abraço!

  3. Sim, Ana, dou certa atenção buscando um autoconhecimento, mas infelizmente, nunca sei como lidar com esse conhecimento, por exemplo, nunca sei como me obrigar a não sentir certos receios. =(
    Obrigada por responder a minha pergunta mais uma vez. Abraços.

  4. Lilie

    Olá Ana. Venho com vc com uma dúvida. Há algum arquétipo representado pela criança? O que ele significa?

  5. Ana luisa testa

    Lilie, sim, existe. Uma crianca num sonho pode representar centenas de diferentrs conteudos. Nao da para analisar um sonho sem q o sonhador faça suas associacoes pessoais e sem olhar o contexto do sonho, e tb a serie de sonhos q o acompanha. É mto bomq vc de atencao a eles, isso ka ajuda. Mas interpreta los fora de uma analise é praticamente impossivel

  6. Lilie

    Achei que houvesse uma representação geral sobre ela. Mas não é tão simples, não é? Obrigada por me responder, Ana Luísa Testa.

  7. Fabiola Nobre

    Bom dia! Percebi que ao sonhar com perdas passei a dar mais valor ao meu tempo e as pessoas. Bjs.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail