Os Complexos

Mar 28, 2012 by

O termo complexo é muito utilizado em nossa linguagem do dia a dia. Às vezes ouvimos por aí que alguém age de determinada forma porque tem complexo de inferioridade, ou de salvador, e assim por diante.

Dentro da psicologia analítica, os complexos são entendidos como aglomerados de conteúdos psíquicos, relativamente independentes da personalidade do eu, mas ainda assim capazes de influenciá-lo. É como se fossem uma espécie de personalidade distinta da nossa, dentro de nossa própria psique.

Numa condição esquizofrênica, eles podem se emancipar em relação ao controle consciente e adquirir vida própria. Nessa situação, é como se não houvesse mais um “eu” no comando. Às vezes a gente se depara com alguém que diz ser Jesus Cristo. Em Curitiba tinha um bem conhecido. Não posso afirmar que seja esse o caso, mas me parece que sim.

Em outros casos, é possível ver a manifestação de um complexo quando o ego perde sua soberania na consciência por alguns instantes. Um ataque de ira seria um ótimo exemplo. No senso comum, dizemos que a pessoa “sai de si”. E é por aí mesmo. O ego sai e o complexo toma seu lugar, a ponto de muitas vezes nos arrependermos logo que retomamos a consciência.

Mas, mesmo quando tudo está bem e nada nos tirou do eixo, é possível perceber o poder de influência de um complexo. Todos nós temos algumas situações na vida em que nosso controle através da força de vontade é mínimo. Que o diga todos aqueles que possuem algum tipo de vício. E mesmo que não chegue a esse ponto, quantas e quantas vezes tentamos lutar contra uma força (ou um desejo) imperativo, e perdemos? Você pode resistir, mas somente até certo ponto. Pois alguns complexos podem ser mais poderosos do que a vontade do ego.

Existe basicamente duas formas de obter algum controle sobre essas forças autônomas. Uma é através do fortalecimento egóico, e a outra através de um enfraquecimento da energia psíquica envolvida com cada complexo.  A medida que essas personificações vão se tornando consciente, já não nos afetam tanto. Por isso o trabalho de autoconhecimento é tão importante. Assim não ficamos à mercê das forças. Pelo contrário, nos fortalecemos através do trabalho com elas.

Posts relacionados

Compartilhe

Comentários

  1. Muito bom! Exatamente assim acontece. Obrigado!

  2. Odilia Hosken

    Oi Ana! Que ótimo ver seu site aqui na net e de alguma forma “revê-la”! Fiquei muito feliz pelo seu site e pelos seus excelentes textos. Não sei se lembra de mim,Kathy- de Belo Hroizonte. Trocamos correspondências por muito tempo e você foi minha amigona na adolescência, sinto saudades. E até hoje tenho o abacaxi que desenhou! Foi muito bom ter notícia sua por aqui. Quando puder me escreva ou me passe seu email para mantermos contato. Grande beijo!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail