O quanto você deseja?

Jun 4, 2012 by

Normalmente olhamos mais para aquilo que nós desejamos do que para a intensidade de nossos desejos. Temos desejos diferentes, com intensidades diferentes. E isso diz muito sobre nós mesmos. É importante que possamos olhar para a forma como lidamos com os nossos desejos. Isto de certa forma reflete o modo como olhamos a própria vida.

Quando um desejo é muito intenso, ele acaba tendo a particularidade de dominar o indivíduo. Os compulsivos e os apaixonados que o digam. Quanto mais intenso, mais imperativo ele é, e isso certamente é algo que preocupa, pois muitas vezes o indivíduo torna-se escravo dessas forças que querem se realizar.

Muitas vezes a pessoa tem consciência que seu objeto de desejo lhe faz mal, e ainda assim não consegue abrir mão dele.

Já no outro extremo, temos pessoas que beiram a anedonia. A ausência de desejos denuncia um investimento inadequado da libido. Certamente essa libido não encontra-se à disposição do “eu”. Essas pessoas encontram dificuldade em distinguir o que querem, assim como uma fragilidade em relação a por em prática os seus desejos.

Isso acaba por criar estados de apatia . Apatia significa ausência de paixões. E a falta dessas paixões não colabora para que a pessoa se prenda as coisas do mundo, já que o prazer é escasso. Excesso de paixão certamente queima, mas a falta dela congela. Quase tudo o que fazem beira a obrigação.

Como quase tudo nessa vida, parece que moderação é a palavra de ordem. Desejar demais (ou sucumbir sempre aos desejos) limita o homem a viver apenas na esfera do prazer-desprazer. E muito de sua força é gasta na aquisição ou manutenção do objeto almejado. Desejar de menos (ou resistir sempre aos desejos) deixa o homem desprendido do mundo, do tempo, e da vida que se vive. A existência perde a graça, e realiza-se muito pouco, já que nada importa. Como pudemos perceber, o desejo em si não é bom nem ruim. Vai depender da forma como nos relacionamos com isso. Pode tornar-se remédio ou veneno, depende mesmo é da dose.

 

Posts relacionados

Compartilhe

Comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail