A felicidade…

Sep 10, 2009 by

borboleta

Quem nunca se perguntou o que é a felicidade?

Penso que felicidade é um sentimento, que não se localiza em uma única parte do meu corpo – e sim nele todo. É quase como se fosse uma sensação de preenchimento, completude, de excitação… e também de relaxamento.

Penso também que é muito dificil ser feliz enquanto sei que outras pessoas não desfrutam de um mínimo de condições… quanto mais de felicidade.

Sendo ou não a felicidade um estado utópico e coletivo, ainda assim acredito que seja a busca por ela que nos dá sentido à vida, e por mais que não possamos estar o tempo todo felizes, vamos então aproveitar esse setimento o máximo que pudermos.

É comum as pessoas se perguntarem por que não são felizes, sendo que elas tem “tudo” que alguém poderia querer. Pois bem… talvez elas tenham “tudo”, mas não sejam “tudo” o que elas poderiam ser.

Quando digo isso gostaria de chamar a atenção para algo cruxial: o homem é o único animal que pode pensar e decidir sobre sua existência, e tendo um leque de possibilidades sobre aonde estar, com quem estar, o que fazer, o que NÃO fazer, etc. pode ressentir-se tanto com a escolha feita quanto com as escolhas que ficaram para trás.

Existe um certo apetite voraz na sociedade atual pela perfeição em certos aspectos da vida. Cobramos que o outro seja perfeito e nos cobramos para estar no mesmo patamar. Esses aspectos muito valorizados culturamente são o profissional, financeiro, sexual e o estético. E ai já me vem um diálogo na cabeça mais ou menos assim:

“Ok, então eu cresço aprendendo que para ser feliz preciso ser rico, lindo, bom de cama e famoso?”

Sim, acho que essa é a idéia divulgada por aí…

“Ela funciona?”

Não. Cada ser é único. O que torna o outro feliz não me serve. Eu não sou o outro. Devo procurar ser eu mesmo.

Então quando disse lá em cima no texto que as pessoas precisam ser tudo o que elas possam ser é no sentido de conquistarem o DIREITO de ser si próprio. Não há felicidade quando se vive uma vida buscando a aprovação do OUTRO e esquecemos de nos perguntar se também nos aprovamos.

Nao há como sentir-se amado quando você não sabe se as pessoas te amam por  aquilo que você demonstra e atua ou por aquilo que você é.

E como saber se o que somos faz parte de nosso ser essencial ou do nosso ser social que busca a aprovação alheia?

Acho que tem uma dica muito bacana: se você vive esperando pelo amanhã, ou vive lamentando-se de seu passado quer dizer que não está vivendo o presente, e quem não vive o presente certamente não é tudo o que pode ser.

Um grande abraço, espero que cada um possa refletir um pouco sobre o texto…

Posts relacionados

Compartilhe

Comentários

  1. O homem é um ser inacabdo, por isso nunca está totalmente contente. Percebo até que, quando se alcança algo que deveria ser a felicidade para ele, deixa de ser logo em seguida, pois senão não haveria mais o que buscar. O homem preciso do sonho. A realização do sonho nada mais é que o fim da felicidade, pois mais importante é o caminho até ela…quantas vezes desejamos algo e depois que aquilo acontece deixa de ter graça…A fuga é o caminho. O que levanta mesmo o homem, é a persistencia de cada dia, não é bem o sonho realizado, mas o que há até chegar nele. O “seguir em frente e alcançar” é que, para mim, chamo de felicidade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail