Caráter Esquizóide

Nov 5, 2009 by

stephen-hawkin

Esse post tratará do Caráter Esquizóide. Gostaria de apontar que é dificil encontrar caráteres puros, o que encontramos normalmente são traços de caráter.

O Esquizóide apresenta rupturas em sua relação com a realidade – tanto externa quanto interna. É como se ele não estivesse em seu próprio corpo. Rejeita a realidade e tem dificuldades de lidar com a parte egóica da vida – ou seja – aquela parte prática e material do dia-a-dia. Também não tem acesso a seus próprios sentimentos e a sua falta de unidade corporal transparece em um corpo fragmentado, que passa a impressão de ser mecânico e sem energia.

Para compensar essa desconexão entre suas partes suas articulações são tensas, como numa tentativa de manter as partes unidas. Corporalmente encontramos certa assimetria e uma falta de graciosidade. Passa a impressão de quem vive no mundo das idéias… ou o próprio mundo da lua!

Por ter energia ao nível dos olhos os esquizóides podem ser pessoas muito inteligentes num nível racional. Conseguem pensar fora da caixa, diferente, ver o mundo além. O trabalho  terapêutico  que deve ser feito é facilitar sua conexão com lado emocional para que ele possa desenvolver as emoções que ainda estão infantilizadas. Integrar aqui é ter a possibilidade de pensar e de sentir ao mesmo tempo.

Os esquizóides têm verdadeira dificuldade para se socializarem, até pela dificuldade de compreender os sentimentos alheios. Preferem ficar sozinhos, pensando nas grandes questões do mundo.

O conflito básico do esquizóide é existência x necessidade. Como se ele pudesse existir se não tivesse necessidades. Um mínimo de existência com um mínimo de necessidades. É como se ele ainda estivesse no primeiro degrau da pirâmide de Maslow. Como se se agarrasse à sobrevivência justamente por possuir pouca vida.   O esquizóide é de fato um sobrevivente, pois teve sua existência ameaçada em períodos muito primitivos de seu desenvolvimento psico-emocional.

Comentários

  1. Renata

    Prezada Ana Luísa,

    Tive também eum namorado há pouco que se encaixa em muitas características. No começo não era assim, mas em poucos meses passou a me tratar friamente, e a qualquer cobrança de atenção mínima ele se mostraba fugitivo. Nunca falava de sentimentos e quando eu perguntava, se esquivava me dando respostas objetivas, frias, práticas. Ele se mostrava tambem muito desapegado, isso que namorávmaos às distância, e para ele parecia que terminar o namoro era como rescindir um contrato. Terminou comigo exataemnte assim, dizendo que já não me via mais como namorada, e sim como amiga. Fez isso ligadno a web cam e me escrevendo com um rosto impassível!

  2. Anônimo

    Olá.
    Eu nunca fui a um psicólogo porém me encaixei em muito dos sintomas.Tenho 19 anos,não gosto de festas,enturmação prefiro de ficar sozinho,não tenho muito apego as pessoas em geral.O Estudo como era no colégio era muito chato,eu odiava.Eu jogo bastante no PC,sou muito imaginativo fico horas pensando de tudo.Gosto de desenhar e em geral de Criar,desde de um joguinho num programa do PC até desenhar historias em quadrinhos com assuntos “profundos” mas isso depende,as vezes tenho vontade e saio riscando tudo mas outras eu nem toco no papel,não tenho vontade e que assim seja.

    Muitas vezes minha propria família me considera um “apático”,dizem:não liga pra nada,vive voando,não liga a mínima para o que os outros dizem e não gosta de nada,sou ingrato e egoista por não retribuir todo esforço deles mas apesar disso eu não os quero mal,Não!Reconheço todo o esforço dos meus pais para me colocar numa boa escola e manter minha integridade,certo.
    Minhas amizades não restaram,sempre tive poucas mas sempre bem fortes naquele ambiente,na escola eu sempre era “de uma amizade” e logo que acabou o terceiro ano eu larguei de mão,nunca tive o hábito de me encontrar fora das salas de aula.
    Basicamente segui a vida tranquilamente e comecei a cada vez mais me isolar e hoje em dia restou apenas alguns contatos familiares e uma pessoa em especial que eu travo grandes horas de diálogos,gosto de falar com ela.
    Minha vida amorosa é nula.Aos 15 anos até os 16 tive alguns relacionamentos porém o que parecia ser algo forte logo depois de alguns dias (sim DIAS) eu “abusava” e largava de mão.No terceiro ano também tive um “amor inatingível” que me deu horas de tristeza.Julgava-me um cara hipersensível nesses momentos,mas outras horas me achava extremamente frio.Que confusão!Eu não fico refletindo sobre mim,mas quando faço isso,sempre dá um nó tremendo.A maior pergunta que tive durante esses tempos foi “por que eu sou tão diferente?”.Eu não sinto vontade de ser como os outros,sou feliz no meu dia só sinto um pequeno desconforto sobre o que fazer no futuro,pois quero minha indepedência,as pessoas são muito chatas por ficarem me enchendo de críticas,principalmente por sempre eu desistir das minhas atividades.Mas ué,eu faço e uma hora eu abuso,não vou ficar naquilo pra nada.Não tenho aquela ambição de chegar a um ponto,atingir objetivos,nao sinto isso,na verdade eu não sinto muita coisa,das coisas que mais me fizeram valer,foram as que eu não pude alcançar,não estavam em minhas mãos,nunca tive,somente imaginava ter.As pessoas falam que tenho uma dicção horrível,meu discurso é empolado e falo coisas sem sentido.Sinto-me indiferente a todos,começando pelas ambições,Ganhar,ganhar,Ganhar,ter.Só isso.”Procure uma mulher”,por que acham que uma mulher vai me transformar totalmente?Não quero saber de uma mulher.Caso específico dessa que as vezes tenho uma vontade de encontra-la.

  3. Olá Ana!
    Apesar de muito instrutiva essa matéria e todos os relatos aqui apresentados, não posso dizer que minhas duvidas diminuíram. Do contrario, apenas aumentaram. Sinceramente, não procuraria um analista para descobrir a não ser como estou fazendo agora. Tenho um colega que, por experiência própria, diz que tenho o transtorno de esquizóide, segundo ele consegue encontrar as mesmas características em mim. Discordo do que ele diz principalmente por que o vejo tão diverso a mim. Ele é forte, indiferente, independente emocionalmente, eu sou frágil e tenho as minhas deficiências emocionais, sou muito apegada a minha família, embora não demonstre e de fato, sinta vergonha de demonstrar até mesmo sinais de afetividade. Para a minha família eu sou a rebelde de coração de gelo, mas não me considero assim, por que sei que às vezes, para conseguir notoriedade, expresso minha opinião de forma exacerbada, e por que não dizer, com um pouco de revolta também. Não saberia dizer se isso é realmente traço da minha personalidade ou apenas a forma como imponho minha presença entre os meus familiares. É fato que eles me acham diferente e esquisita, embora eu não entenda ao certo por que, como disse, posso apenas fazer o tipo, e assim considerando penso que sou igual a eles, mas também não tenho certeza. Costumam justificar o fato de eu ser tão diferente dizendo que fui fruto de uma abdução, e que definitivamente não pertenço à família ou a este mundo. É verdade que desde pequena, notoriamente a partir dos dez anos, preferir atividades individuais, que me isolassem em um canto e que envolvesse algum tipo de manifestação criativa, tal como costurar roupinhas de boneca, depois veio o desenho, a leitura, a escrita, e essas três ultimas atividades acabaram se resumindo o meu universo, a minha personalidade. Hoje tenho 22 anos, e o que dizer? A cada dia suporto menos o contato social. Odeio que as pessoas me olhem, odeio contato físico. Fujo de relacionamentos (e pra muitos esse medo parece quase patológico). O mundo me parece não ter nenhum atrativo a não ser o que não envolva as pessoas, a natureza (afora o homem) e as artes. O mesmo amigo me disse que a causa do meu tédio acontece por que sou mais inteligente do que a média geral, e por isso as pessoas comuns não me atraem. Não acredito que seja assim, as vezes sinto realmente que não faço parte deste mundo, que sou diferente de tudo e de todos, e que não há nenhum lugar em que possa me sentir confortável senão em meio a minha solidão, a minha reclusão. Mas a própria reclusão vem a ser a minha ultima alternativa. Eu tento me socializar, eu tento corresponder às expectativas das pessoas, tento parecer aceitável, tento ser aceita, mas é um esforço caro demais, eu me sinto traindo a minha natureza, vestindo uma pele de espinhos, e o resultado, antes de ser bom, trás apenas mais desconforto e infelicidade. Tenho preferido as amizades pela internet, por que julgo mais fácil de manter, de preferência aquelas que estão mais longe de mim o possível. Escolho amizades por características que me parecem atraentes somente por um tempo. Logo me torno fria, perco o interesse, e se mantenho a amizade é apenas para não magoar a pessoa em questão. E essa mania de sentir com prazo de validade me causa a impressão de que nada em mim é verdadeiro, de que sou uma farsa, que nada durará para sempre, que sou uma criatura presa em pequenos ciclos, e sinto falta de algo que me diga que sou de verdade, que sou capaz de sentir com profundidade, que o meu amanhã é garantido e não esse mar de incertezas. A única coisa que me faz me sentir bem de verdade é a escrita. Enquanto escrevo estou bem, sinto prazer, me sinto confortável como se tivesse encontrado o meu sentido em existir. Tudo o mais se perde. Não sinto fome, não sinto sede, não sinto o mundo a minha volta, e se os dedos não doessem poderia escrever para sempre. Mas até a minha escrita mostra uma tendência. Escrevo fantasia. Não gosto de escrever sobre coisas reais, é uma tortura escrever sobre o mundo em que vivemos. Sinto necessidade de criar algo diferente, outros mundos, outra realidade, coisas inacreditáveis que só podem existir na minha cabeça ou no mundo imaginário. Entende que tenho a necessidade de criar um mundo só pra mim? Por favor, Ana, agradecerei se puder esclarecer a minha duvida; Eu tenho sintomas de transtorno de personalidade esquizóide?

  4. Olá Lilie.

    Acho que dá para dizer que você relatou traços esquizóides, o que não é a mesma coisa de ter um transtorno da personalidade. Mas lendo seu texto, não pude deixar de pensar que você pode estar vivendo em um estado de “alienação do ego”. Todos passamos por isso, é normal e necessário para o desenvolvimento da psique. Mas não podemos congelar nele. Nessa próxima semana escreverei sobre o assunto ok? Sinceramente não sei se diagnósticos servem para muitacoisa na prática. São ótimos apenas para estabelecermos alguma comunicação e fundamentarmos algumas burocracias, mas se pensarmos no indivíduo, é muito melhor olharmos para a dinâmica atual da psique do que tentarmos nos encaixar em uma ou outra categoria. Até porque nunca vai encaixar totalmente.

  5. Ana, obrigada por esclarecer, sinto-me um tanto aliviada, talvez sem muita razão eu sei, mas é que me senti rotulada quando me fizeram essa indicação, e para citar um pouco da minha ignorancia no assunto, me senti assustada. Bem, aguardarei ansiosa pelo próximo post. Peço que me desculpe se eu fizer mais perguntas daqui para frente, estou realmente curiosa. Abraços.

  6. Nicolas

    Oi
    Estive lendo o blog e MUITOS outros sites e eu me encaixo em 90% das caracteristicas.A introversão,falta de desejo,de prazeres e de intimidade,grande atividade imaginária (muito mesmo)e muitas outras.Seria mais fácil dizer o que eu não sou:inexpressivo,sinto-me sempre em um tédio mas em vários momentos eu consigo ser uma pessoa sociável,conversare prolongar um assunto mas nunca inicio isso,sempre alguém começa uma conversa.OK,sou sociável mas não social.Nenhuma amizade continua por longo tempo e aquelas que duraram mais tempo,sempre foram de ambiente escolar ou de ambientes de encontro diário que logo ao acabar,foram-se.Não tenho nenhuma forte amizade fora do contexto familiar.
    Por conta dessa indiferença aos sintoma que julgo um dos “principais” eu ainda posso ter esquizóide?

  7. Olá Nicolas,

    Tipos de caráter (esquizóide, oral, anal, fálico e genital) não representa uma psicopatologia, está mais para tipos de personalidade. É um enquadramento das formas como as pessoas funcionam. Não existem caráteres puros, qualificamos de acordo com a predominância dos traços.
    A maioria de nós tem traços de todos os tipos de caráter, mas geralmente mais características de um ou dois tipos.
    Eu não tenho como dizer se o caráter esquizóide predomina em sua pessoa ou não. Vou deixar para você o julgamento, se se encaixa dentro da descrição ou não. Lembre-se que não é necessário ter todos os traços. É uma questão de predominância.
    Um abraço

  8. marcelo firmino

    boa tarde; Gostaria apena se alguém saber de um execício físico que a calma , pois já trato com psiquiatra a 10 anos; e psicologo especializado e cognitiva e comportamental, e ajuda muito mas sofro muito pois minha esposa divorcio e fique com 5 criança , pequena crie todos eles (filhos) hoje o mas novo tem dezoito; mas daria duto por um dia de paz ; alguém pode me ajuda

  9. Oi Marcelo,

    Não existem exercícios físicos específicos capazes de curar um desiquilíbrio psíquico. Mas é claro que ter saúde e praticar exercícios deve ajudá-lo a sentir-se melhor.

  10. marcelo firmino

    Ana, hoje fique inquieto e consultei com meu medico psiquiatra e falei, se tinha um exercício físico que poderia me ajuda, ele riu e falou, olha Marcelo Yoga vai ajuda no trabalho, na vida social, no seu trabalho;
    A pegunta agora é, alguém já fez Yoga e que tenha algo que me possa me diz:
    Obrigado desde já.

  11. marcelo firmino

    Ana, eu não falei o nome da doença que eu tenho é síndrome de esquizóide, nas ao contrario dos outros meu libido e zero, não tenho fantasia, só gosto de solidão e como gosto;
    A esqueci o Dr falou que eu melhoria na com meus familiares, embora estão todos adulto umas casado mas sempre me rodeia
    pessoal, e só pra me conhecer melhor,
    mas me responda sobro o Yoga:
    mutismo o brigado.

  12. Lucas

    Ana, se isso é um “transtorno”, poderia me dizer como é a personalidade ideal então? Como a personalidade das pessoas deveria ser no aspecto social?

  13. Lucas, o caráter esquizóide não é um transtorno, é uma configuração possível de personalidade. Essa descrição é feita dentro da teoria do desenvolvimento da psicologia corporal. É referente a traços de caráter, e não a um transtorno de personalidade.
    Talvez você esteja confundindo com o Transtorno de personalidade esquizotípica, que é um transtorno de ordem psiquiátrica. Para saber mais sobre ele, vale a pena consultar o CID 10 ou o DSM-IV

    Um abraço!

  14. Marcelo, não sei te responder sobre isso. Talvez você deva conversar com alguém do Yoga, para te dar uma posição sobre o assunto.

  15. Vinícius

    Ola,
    Gostaria de saber se a pessoa que tem o transtorno de personalidade esquizoide sempre é assim ou pode vir a se tornar desse modo?
    Tenho me indentificado com muitas características do transtorno, mas nao sei se posso ser considerado um esquizoide porque nem sempre fui assim. No meu caso, passei a ter essas características (desinteresse social, indiferença, isolamento, etc) há mais ou menos um ano, depois de viver como fobico social, ou como alguem muito timido durante toda minha vida.
    Tem possibilidade disso ter ocorrido: ter passado a ter o TPE ?

  16. Oi vinicius,

    Nós podemos adquirir transtornos durante a vida, talvez seus sintomas tenham se acentuado.
    Porém, nesse post sobre “caráter esquizóide”, não estou falando do transtorno de personalidade esquizóide, e sim sobre a definição caracteriológica proposta pela psicologia corporal. A diferença é que nesse caso, não se trata de um transtorno, e sim de um conjunto de características não patológicas.

  17. Maria

    Ana, você conhece alguém no RJ capital que trata essa doença, algum terapeuta que entenda bem e esteja acostumado ?

  18. Vinícius

    Faz alguns dias eu acordei e tudo parece ter mudado, eu nao me emociono muito sabe, tá tudo diferente é como se eu estivesse e ao mesmo tempo não, a uns meses atrás eu tive uma crise depressiva e me comparo agora, naquele tempo eu sentia algo pelo menos, a tristeza, e hoje nem isso, preciso de ajuda eu sei, mas ao mesmo tempo acho que nao, o que eu faço?tenho 18 anos, eu quero sonhar, eu quero desejar, amar, mas o que eu faço?:/

  19. Procure um tratamento Vinicius. Qual é o problema em precisar de ajuda de um psicoterapeuta ou um psiquiatra?
    Por que perder tempo de vida em uma fase que poderia ser tão bacana? Será que você tem que dar conta disso sozinho?
    Vejam pessoal… quando estamos com uma dor de dente que persiste ninguém vai tentar resolvê-la sozinha, vamos direto ao dentista. Quando estamos com uma pneumonia vamos no médico. E quando nossa psique sofre, por que resistimos tanto em procurar um psicólogo?

  20. Débora

    Sou esquizóide e estou cursando psicologia. Será que terei alguma chance de realização na área? Que profissões seriam mais adequadas pra alguém assim? Já que tenho muita dificuldade em interagir com pessoas.

  21. Denise

    Boa Tarde,..estou a um tempo lendo muito sobre a personalidade esquizóide.Pois comecei a me relacionar com uma pessoa que eu acho incrível,inteligente,dono de uma percepção sem tamanho.No entanto,suas condutas e relatos tem me deixado com muitas dúvidas sobre sua personalidade.Ele gosta de ficar sozinho,se sente bem.Parcece que fica mergulhado num mundo de perguntas sem respostas o tempo todo,as vzs publica uns desenhos no face triste,apavorantes até:como casas mal assombradas velhas,árvore secas e sem vida ao vento etc.Conversamos bastante quando nos encontramos,ele é uma pessoa adorável,vejo nele adjetivos importantes,mas ele deixou claro que não consegue avançar o relacionamento,gosta quando estamos juntos mas se sente “engessado” diz que não sabe como nem aonde ele ficou assime que me diz isso pra me proteger,pois se sente um “animal sem coração”,ele não tem ninguem,nao é do tipo “galinha”,nem nada,e diz se sentir diferente quando está com algum amigo,e se sente feliz com ele mesmo.Faz uso de lítio por ser Bipolar,achei que pudesse ser algum efeito colateral,mas quando comecei a ler sobre P.Esquizóide,pude enquadrá-lo em vários ítens(na verdade,a maioria ),no entanto,o que me deixa com dúvidas é que ele ja foi casado,e diz ter amado sozinho,sofrido,e não querer que eu passe por isso.Pode ter se manifestado agora?ele tem 31 anos.

  22. Adelaide

    Tenho um filho de 18 anos que me preocupa diariamente. Vive em um mundo criado por ele, tem poucos amigos e os vê esporadicamente, desde o primário se destacou no colégio como melhor aluno( o colégio é considerado o melhor do Estado), praticamente não estudava, tem uma capacidade de memória enorme, a ponto de ler um texto,entendê-lo completamente e saber das divisões das sílabas de uma página p/ outra. Isso sempre me manteve tranquila, pois nunca me preocupei com suas notas, ele sempre passava por média e sempre me deu muito orgulho, mas p/ ele isso não significava NADA. Nunca comentou sobre notas de provas. Começou a piorar quando passou a viver em um mundo criado por ele, dentro de seu próprio quarto, com janelas, portas e cortinas fechadas. Não podia entrar um inseto que mais parecia um monstro e tinha que ir alguém p/ matar, pois ele mesmo não tinha coragem. Na época, há uns 3 anos ele se afastou de todos os contatos sociais no colégio e hoje já consegue se relacionar com uns poucos amigos, mas sem intimidades maiores. É muito difícil manter uma conversa equilibrada com ele, pois ele se acha o dono da verdade, filosofa em cima dos assuntos mais simplórios e chega a nos cansar de um modo que é como se ele sugasse todas as nossas energias.Não se importa com o que pensam dele, com sua aparência (sai com uma bermuda estampada e uma camisa listrada para um aniversário, p.ex.), o importante é ele estar à vontade. É contra todo tipo de regra imposta pela sociedade,não acredita em pesquisas( diz que o mundo melhorou graças ao inconformismo de certas pessoas). É totalmente contra o conformismo, questiona tudo o que é imposto pela sociedade. Não fez o vestibular p/ a U.F.PE, apesar do colégio tê-lo como uma grande promessa. Resolveu fazer uma Faculdade de Administração particular,desistiu,pegou o dinheiro e se matriculou (por pressão do pai) em uma Faculdade de Direito particular,comprou um livro sobre as bases do direito,passou a tarde inteira lendo ,socando o móvel e dizendo palavrões, sem concordar com as regras do livro. Como era de se esperar, desistiu do Curso e se matriculou em outra Faculdade de Administração, mas já está dizendo que o curso é uma grande besteira! Foi tirar agora a carteira de motorista e foi reprovado no exame médico: não conseguiu fazer o quatro com as pernas, não conseguiu ficar com os braços esticados e parados p/ frente e não conseguiu apertar o aparelho com os braços e atingir a força mínima necessária. Teve um dia que perguntei a ele se não sentia falta de dar um abraço em mim, de ter um carinho de sua mãe e ele respondeu friamente que não! Outro dia tentei fazer um carinho no seu cabelo e ele se esquivou bruscamente. Aliás, tem mais de um ano que ele não corta os cabelos, quando ele acha que algum local está feio ele mesmo pega a tesoura e corta.Meu irmão mais velho disse que ele está com cara de mendigo. Outra coisa interessante é que ele não suporta ninguém na rua olhando para ele( e na maioria das vezes as pessoas estão passando só a vista como todo mundo faz). Já conversei com vários psiquiatras, inclusive com o meu(preciso de um apoio constante p/ lidar com toda essa situação)e todos foram unânimes em dizer que ele precisa de terapia e medicação. O grande problema é que ele não acredita em nenhum desses profissionais e já disse que não vai!Bem, aqui fica o meu depoimento de mãe,sei que muitas irão se identificar comigo.É muito duro você ter feito de tudo na vida para dar uma vida feliz p/ seu filho e todo esse problema eclodir na adolescência dele, fase que ele podia estar aproveitando e se divertindo. Mas ele diz que é feliz no mundo dele, no quarto dele, tocando baixo e violão que aprendeu por conta própria(e toca muito bem), que eu preciso acreditar no que ele diz! O que eu tenho feito p/ melhorar? Tenho frequentado palestras espíritas ( que seguem a linha de Allan Kardec) as quais têm me dado força espiritual p/ lidar com as adversidades da vida. Que Deus dê forças a todas as mães que passam por esse problema e rezem p/ que consigamos principalmente chegar ao coração de nossos filhos e fazer com que eles se sintam amados! Obg.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>