Compra compulsiva – Oniomania

Jan 12, 2010 by

O ato de comprar é, além de uma necessidade, algo prazeiroso. Mas pode tornar-se perigoso quando esse comprar torna-se compulsivo.

Os shopaholics – ou seja, os compradores compulsivos – compram muitas vezes produtos sem necessidade, as vezes porque está em promoção, ou simplesmente pela necessidade de comprar.

Como todo comportamento compulsivo, o ato de comprar vira uma espécie de ritual capaz de apaziguar a ansiedade e trazer um prazer. Mas as vezes o preço pago por manter esse comportamento é caro demais, e o que começou como um prazer se transforma em culpa. E a ansiedade volta, no momento em que a pessoa se dá conta que mais uma vez não resistiu a uma compra.

E  não é só a vida financeira que fica prejudicada não. Relacionamentos entram em crise, até porque o shopaholic afunda-se em dívidas e recorre ao cônjuge, aos familiares e aos amigos na hora de pagar as contas. Estima-se que 80% da população de consumidores compulsivos seja composta de mulheres.

Quando a compra se transforma em um vício ela não difere muito das outras formas de compulsão que existem por aí: drogas, alcool, cigarro, comida, sexo, limpeza, etc.

Mas o que leva alguém a ter um comportamento compulsivo?

Certamente isso varia de indivíduo para indivíduo. Às vezes determinado comportamento é a única fonte de prazer na vida daquela pessoa. Às vezes o pensamento que antecede o comportamento (no caso chamamos de obsessão) funcione como uma defesa psíquica para que a pessoa não pense em outras questões que sejam dolorosas, por influência de grupos, por baixa auto-estima, etc.

Fato é que quando algum comportamento toma uma parte muito grande nas prioridades de vida de alguém, esse comportamento deve ser revisto. Hoje em dia vários tratamentos estão disponíveis para ajudar o comprador compulsivo: terapia psicológica, tratamento medicamentoso e grupos de ajuda mútua, como os compradores anônimos e os devedores anônimos (funciona nos moldes do A.A. e tem excelentes resultados).

Seja como for, acho que todos nós devemos refletir sobre nossos hábitos de consumo, e tomar cuidado para que não utilizemos certos prazeres da vida como um tapa-buraco emocional.

Posts relacionados

Compartilhe

Comentários

  1. Sim, díficil achar quem não goste. E não tem nada de errado em sentir prazer em comprar, pelo contrário, é normal. Só que isso deve ser analisado a partir do momento em que a compra torna-se uma necessidade primária, mais importante do que os relacionamentos interpessoais por exemplo. Ou quando começa a comprar coisas não por querer ter aquilo para si, mas apenas por querer comprar. Muitos anos atrás conheci uma pessoa que tinha um apartamento bem espaçoso com 3 quartos… em um dormia o casal, no outro as duas filhas e no terceiro o filho. Primeiro perderam a sala de jantar, que se transformou em um depósito. Depois o filho teve que dormir com as irmãs, pois o quarto dele também virou um depósito. E havia uma série de coisas que nem haviam sido abertas, guardadas nesses cômodos. Daí você consegue perceber que a compra não foi feita em função da necessidade ou de querer aquele produto, e sim querer comprar.

  2. STELA

    Oi Estou muito interessada neste assunto. Tenho há quase tres anos passado por problemas emocionais com uma pessoa da minha familia. E de lá para ca, comecei inocentemente a sair do trabalho e dar uma passada inocente nas lojas.
    Foi aos poucos. Quando percebi meu guarda roupa estava lotado. Tenho me controlado muito. Gostaria de saber se há algum livro que eu posso ler sobre o assunto. obrigada

  3. STELA

    Complementando o email anterior.

    Sou de londrina tambem. Poderia indicar algum colega nesta cidade. obrigada mais uma vez.

  4. Ola stela,

    O saber teorico nao te tira da condiçao de compra compulsiva. Qdo faço aqui meus artigos faço com a intencao de q o leitor se conscientize da situacao e busque terapia.
    Tenho uma referencia excelente em londrina de psicoterapeuta. Inclusive fui sua paciente enquanto morei ai. Me passe um e mail que eu mando em particular o contato dela. Ela se chama marcia sel.
    Um abraco e nao desista de sua luta

  5. Andreia Lopes

    Preciso urgente de ajuda…..ja nao sei mais o que fazer….o pior de tudo que contei mentiras para o meu marido!!e logico que ele descobriu..estou com medo mto medo,nao quero que meu casamento acabe…mais o pior que ele acha que tudo e frecura..nao sei mais o que faço.Eu preciso de ajuda..me sinto mto sozinha.

  6. É preciso que cada um de nós perceba que quando um instinto nos escraviza, é hora de acordarmos.
    Isso pode ser muito destrutivo, não só para você ou para seu casamento, mas para os que estão a sua volta.
    Perceba que não adianta você comprar quando sente este impulso, porque isso não tem satisfeito a necessidade de comprar. Pelo contrário, o ato da compra só alimenta o desejo de comprar mais e mais.
    Quando sentir vontade, aguente firme. Só assim será capaz de se libertar dessa escravidão….

  7. Eliana Brandão

    Além de ter a cumpolsão, preciso fazer um trabalho de pesquisa sobre o assunto. Pode me ajudar? Apesar do trabalho ser necessário. Melhoro quando pesquiso sobre o assunto, encontro pessoas com o mesmo problema e consigo até ajudar outras pessoas.

  8. Maria

    Ola. não sei oque fazer mais, cada dia me afundo mais ainda nas dividas por comprar sem necessidade,
    tenho medo que se continuar assim posso correr o risco de perder pessoas queridas, por estar gastando demais ,sem necessidade alguma e também por não contar \e até mesmo mentir,para pessoas tao especiais p mim.
    Preciso de ajuda urgente..
    Uma indicacao para terapia,um livro..alguma ajuda
    Obrigada

  9. Gisele

    Bom dia, eu gostaria de saber aonde tem grupo de ajuda a este tipo de problema em Curitiba. Ficarei contente se você puder me responder por e-mail! Atenciosamente, Gisele.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>