Síndrome de Adonis

Jan 19, 2010 by

Vou começar uma série de posts aqui sobre algumas doenças que estão aparecendo com uma certa frequencia na atualidade. Cada época e sociedade tende a trazer a tona alguns aspectos da vida humana e junto com eles seus respectivos problemas. Sabemos que, dentre outras coisas, nossa cultura dá grande ênfase à beleza, e que se não soubermos lidar bem com essa demanda, podemos sucumbir à disturbios psicológicos. E é sobre um deles que vou falar hoje.

A Síndrome de Adonis – ou vigorexia – é um disturbio que atinge principalmente os homens entre 18 e 35 anos de idade – mas não é exclusiva deles!  O nome da sindrome foi retirado do deus grego Adonis, reconhecido pela sua grande beleza. A principal característica dessa síndrome é a luta sem limites pela beleza corporal, através do ganho de massa muscular. Para que ocorra esse ganho de massa a pessoa pode apelar para o uso de esteróides, anabolizantes, suplementos alimentares,  injeção de óleos e proteses e o excesso de exercício físico, também chamado de overtraining (o que prejudica as articulações, ossos, tendões e a musculatura em si).

Muitas vezes essa busca alucinada por um corpo perfeito acontece em situações aonde o indíviduo passa por períodos de baixa auto-estima, como uma forma de compensação. Por essa auto avaliação pobre a pessoa não consegue definir a hora de parar, pois está sempre insatisfeita consigo mesma.

É importante ressaltar que dentro da síndrome a vida social do individuo fica também comprometida. Primeiro por seus sentimentos de inferioridade e segundo, porque vai dedicar grande parte de seu tempo aos treinos, cirurgias plásticas, procedimentos estéticos, etc.!

Como resolver a vigorexia, e limitar o culto ao corpo aos seus aspectos saudáveis?

Acredito que o primeiro passo seja fazer a diferenciação entre o que é uma demanda minha, algo capaz de me realizar do que é uma demanda social e cultural, que não necessariamente vai me fazer feliz. Segundo: entender quais são as verdadeiras raízes para os sentimentos de inferioridade e fazer as mudanças necessárias. Assim ninguém vai precisar ficar compensando nada. Terceiro: compreender que tudo o que é feito em exagero ganha um aspecto de fanatismo e empobrece outras áreas de nossa vida. Se me dedico demais a uma coisa só o resto fica de lado. Um ser humano para ser feliz precisa caminhar bem em pelo menos 5 aspectos de sua vida: o eu (e aqui entra também os cuidados com a beleza, mas não só isso), o trabalho, a família, os amigos e a o amor.

Sofre quem não consegue equilibrar esses aspectos de uma forma mais ou menos balanceada.

Beleza e cuidado com o corpo são aspectos valiosos, mas será que não estamos esquecendo de valorizar outras coisas também?! Pensem nisso.

Posts relacionados

Compartilhe

Comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail