Assexualidade: a indiferença à prática sexual.

Mar 5, 2010 by

A assexualidade é uma das possíveis expressões de orientação sexual humana. Alguém assexuado é aquele que não se interessa pela prática sexual com outras pessoas.

Assim como a homossexualidade, a assexualidade é vista por muitos como um distúrbio de sexualidade, e a luta hoje dos assexuais é que sua orientação seja respeitada não como uma doença, e sim como uma característica natural do ser humano.

Os assexuais podem tanto não desejar possuir um relacionamento afetivo com alguém quanto se interessar por outras pessoas, desejando um vínculo amoroso, mas que não tenha a prática sexual.

A excitação sexual também pode ocorrer, mas talvez como algo mais orgânico. Não existe por exemplo a necessidade ou a vontade de descarregar essa excitação através do ato sexual com outras pessoas, e o que geralmente ocorre é a satisfação através da masturbação.

Entendo que muitos assexuais podem sentir-se pressionados socialmente, com cobranças explícitas ou implícitas sobre suas vidas afetivas. Pessoas cobrando quando vão arrumar um namorado(a), cobrando que tenham uma vida sexual ativa… e acho que sempre surge a seguinte dúvida: será que eu sou normal, será que preciso de tratamento?

Gosto de pensar que a melhor resposta a essa pergunta vem através de outras: estou feliz? minha falta de desejo sexual  me incomoda?

Se  for algo que traga sofrimento, aconselho sim a procurar ajuda. Se não for, realize-se de outras formas. O mundo é muito grande, e cada ser humano é único. Não se importe em não fazer parte daquilo que a maioria prega como normal e correto. Sua referência deve ser você mesmo. Sentir-se bem e não trair quem você é em seu íntimo!!!!

Comentários

  1. Karyne,

    Essas decisões quem deve tomar é você, junto com seu esposo.
    Veja qual é o peso da relação sexual p/ vc.

    Um abraço.

  2. Fernando Júnior/ São

    Fernando Júnior

    Bom dia, sou o Fernando Júnior, que fez uma postagem em 12/02/2011.

    Se lerem meu post, verão que o meu problema é idêntico aos demais.

    Um breve resumo para quem não leu: fui casado durante quase 8 anos; eu, hoje com 43 anos e ela 28. No início do nosso namoro, sexo era constante. Depois que casamos, fui perdendo o interesse pelo sexo, até que fazia obrigado.

    Ficava me sentindo muito culpado, pois ela não merecia ter passado por isso. Até que, depois de ficarmos quase 2 anos sem transar, ela resolveu se separar. Não a culpo, pois sei das suas necessidades, e eu não estava cumprindo com minhas obrigações.

    Eu acho que ela ainda ficou todo esse tempo sem sexo, pq eu acabei, de certa forma, tentando compensar isso, e dava de tudo para ela: dinheiro, compras, roupas, viagens, etc. Achava que poderia compensar a falta de sexo com bens materiais. Mas não foi bem assim. Eu não ligava que ela estourasse todo mês o limite do banco, que gastasse todo o limite do cartão de crédito com compras para ela e para a família.

    Eu queria era ter ela comigo, pois a amava, mas… não tinha vontade de fazer sexo.
    Ela cansou dessa situação e hoje mora com a mãe, que tbm sabe do problema. No final, fiquei sem ela e uma dívida de quase 30 mil reais, para ser paga em 4 anos, devido seus gastos com cartões de crédito, limite do banco e mais vários empréstimos feitos. Nada disso fez com que ela ficasse comigo.

    Gostaria de salientar para algumas pessoas o seguinte: nem toda pessoa que não gosta de sexo é homossexual ou bissexual; nem toda pessoa que não gosta de sexo é impotente; nem toda pessoa que não gosta de sexo tem algum problema físico ou psicológico. Tudo isso foi cogitado aqui.

    O diferencial de quem é assexuado, é que até sentem vontade de se masturbar normalmente, mas sem a necessidade de contato físico com outra pessoa. Isso é o grande detalhe que muitos ou a maioria não entendem. A verdade que mais dói, é que muitos só vão se descobrir assexuados depois que se casam.

    Então, gostaria de dizer para algumas pessoas desse site, que o fato de um homem ou uma mulher não querer mais transar com o parceiro, não quer dizer que essa pessoa virou homossexual, ou tem problema de saúde, ou tem algum amante, nada disso. Lógico que há casos e casos, mas, especificamente para os assexuados, essa é a grande verdade.

    Hoje, vivo só, e com uma saudade imensa dessa mulher. Penso nela todo dia e vejo o quanto ela suportou. Assumo inteiramente a culpa pelo fracasso do meu casamento, pois ela fez tudo que podia, deu milhares de chances, indicou até médicos, terapeutas e psicólogos para que me consultasse. Mas não fui em nenhum.

    Sinto pelas pessoas que estão na mesma situação que a que passei, pois vejo nelas todo o problema passado por minha ex.

    E por último digo: não são só vcs (que estão sem sexo do parceiro) que sofrem. Saibam que para a outra parte, a que não ‘comparece’, também é uma situação de grande sofrimento.

  3. Fernando, obrigada pelo comentário! Acho ótimo que possamos ver os dois lados da história!

  4. Fernando Júnior/ SP

    Bom dia Ana Luisa.

    Achei interessante a matéria, por isso voltei aqui para comentar sobre o assunto mais uma vez, na minha última postagem.

    A verdade Ana, é que esse é o tipo de assunto que não se conversa com parentes, amigos ou vizinhos. Quem vai assumir publicamente para as pessoas do seu convívio que vc não faz sexo, ou que não gosta de fazer?

    Com a internet, ficou mais fácil expor esses assuntos, sem correr o risco de ser reconhecido por alguém próximo e taxado de doente ou qualquer outro adjetivo que queiram dar.

    Por último Ana, agradeço o espaço cedido para colocação de tais problemas e a oportunidade de podermos compartilhar com outras pessoas nossas experiências.

    Um grande abraço e tenha uma ótima quarta feira.

  5. Deborah clanisa

    Ei gente participem da minha page do facebook “Quero ser Assexuada”!!!Curtem e sejam bem vindas (os)..Como faço para ter esta sorte existe algum remédio =)

  6. Anderson

    Boa noite Ana!

    Tenho uma enorme dúvida. Há menos de um ano comecei a me relacionar com homens. Eu sempre soube que era diferente, mas não tinha coragem de aceitar. Mas chegou uma hora que não aguentei mais e me auto-aceitei. Meus pais e amigos próximos sabem de mim. Meu pai não me aceita, tanto que nem converso com ele mais. Tive vários relacionamentos com homens e poucos com mulheres. Apenas houve atos sexuais com homens.
    Enfim, minha dúvida é a seguinte: eu sinto bastante atração por homens, porém não curto sexo. Quando digo sexo, refiro-me a penetração, tanto como ativo, tanto como passivo. Não vejo prazer e graça nisso. Não vejo a hora do ato sexual terminar. Porém gosto das preliminares, onde há sexo oral e tal. Isso sim é prazeroso para mim. Com isso, gostaria de saber: sou assexuado ou não? Será que sou apenas homosexual?

  7. Olá anderson,

    Acredito que se você sente desejo sexual por outras pessoas e se envolve no ato, não tem porque pensar que se trata de assexualidade. Entendo que vc tenha dúvidas por não gostar da penetração, mas ainda assim se envolve de outras maneiras tb sexuais.
    Um abraço!

  8. Anderson

    Boa noite Ana!

    Gostaria de agradecer pela sua atenção para com minha pessoa.

    Então, eu não via essas “preliminares” como atos sexuais. Para mim penetração era sexo.

    Outra coisa… consigo viver anos sem transar, prelimares, masturbação… mesmo gostando dessas duas últimas. Mas é uma coisa que não está em minhas prioridades.

    Enfim, obrigado novamente pela atenção!

    Abraços!

  9. M.Eduarda

    Boa noite Ana!

    Em primeiro lugar, excelente texto, parabéns! Tenho apenas 24 anos e ainda sou virgem. Não sinto atração sexual por nenhum dos gêneros, mas me satisfaço com a masturbação. Gosto de me relacionar com homens e sinto uma atração romântica por eles, que se limita apenas aos beijos e abraços. Entretanto, todos os meus relacionamentos são passageiros, pois temo sofrer algum preconceito pelo fato de não sentir atração sexual, embora nunca tenha colocado isso para nenhum parceiro. É como se existisse uma espécie de bloqueio que me limita falar isso com qualquer pessoa que eu conheço. Trabalho muito e vivo constantemente estressada e sempre utilizo isso como “desculpa” para o término dos meus relacionamentos.
    Sou capaz de me sentir muito excitada sozinha e, por isso, não consigo entender o fato de não sentir a mesma coisa quando estou com o sexo oposto. É fato que tenho bastante vergonha do meu corpo e daí pergunto a você se posso ter desenvolvido alguma doença ou será que sou mesmo assexuada? Faço terapia há um ano, mas nunca me senti confortável em falar sobre isso e é algo que me faz sofrer bastante, principalmente pois estou gostando muito de alguém neste momento, que além de tudo é 10 anos mais velho que eu e já foi casado. Somos amigos e ficamos apenas 2x vezes, mas foi o suficiente para querer uma relação (sem vontade ainda pelo sexo, claro). Ultimamente enho sentido muito a necessidade de uma companhia, mas o sexo é um fator que realmente me incomoda. ME DÊ UMA LUZ!

    Obrigada!

  10. Olá querida,

    Já que faz terapia, a melhor “luz” que posso te dar é de que converse sobre isso com sua terapeuta. Ela é quem melhor vai poder te responder se é um caso de assexualidade ou alguma espécie de bloqueio que pode ser tratado.

    Um grande abraço e boa sorte!

  11. Sámira Bachchan

    A pior coisa, a nós, assexuados, é o preconceito e a incompreensão das pessoas por sermos assim. Acham que somos doentes,ou que sofremos abusos, ou que somos homossexuais, ou até mesmo que é moda…

    Mas a verdade, é que somos felizes; e tem muitos sexuais que não compreendem como podemos ter essa “tranquilidade”.
    Talvez eles gostarim de ser assim também, mas a sociedade ou outro, como os companheiros, lhes combram uma vida sexual ativa, para ser plenos!
    O importante é sermos como nosso coração nos pede. Se assexuado ou não, é uma atitude que vem do coração, e a gente deixa as pessoas pensarem o que quiser.
    Eu sou assexual, nunca tive interesse por pessoa alguma, nem homens nem mulheres, nem nada…rsrsr. Amei muito um rapaz, mas meu amor por ele nunca tinha sexo, tinha todo um carinho, proteção, zelo, cumplicidade,respeito. Deixei-o seguir seu caminho,pois sei que o verdadeiro amor, não aprisiona ninguém.
    Mas hoje vivo muito bem, só e feliz; canalizo toda minha força de vida, em fazer o bem, em aprender, viajar, estudar, fazer coisas boas. E vou seguir assim até o fim de minha vida, porque é minha opção de vida.

    As pessoas…deixemos que elas pensem o que quiser dos assexuados! Uma hora, elas compreenderam…e: quando todos chegarem a fase senil, porventura não ficarão assexuais, pela idade ou condição física? Daí elas saberão, como é viver a vida, sem baseá-la no sexo. E como é bom!
    Um beijo no coração de todos!

  12. Adriana

    Bom dia Ana,

    Hoje me levantei afim de procurar mais sobre esse tema, e descobri esse espaço, li todos os posts e me identifiquei com a história do Fernando. Tenho 41 anos e casada há 23 anos , tenho dois filhos. Desde a adolescência nunca fui muito ativa no sexo. Me apaixonei pelo meu marido, me casei, e fazia sexo para cumprir as ” m inhas obrigações de esposa “, afinal, meu marido sempre gostou. Com o passar dos anos as relações foram ficando mais espaçadas, eu nunca me importei, sinceramente, era um alívio. Passamos por uma crise há 5 anos atrás, nos separamos por 2 anos e nesse intervalo tive um namorado que não durou muito, pois tb gostava de sexo e eu não. Sempre gostei uito do meu marido e ele de mim, resolver voltar, e para impressioná-lo, tentei fazer sexo com mais frequência nos primeiros meses e ele adorava, mas de um ano para cá, não consigo mais. Ee se tornou hipertenso e diabético e passou tomar remédios diários e acho que isso faz com que ele diminua seus desejos, mas ainda assim quando ele me procura o evito, já estamos há 4 meses sem nada e na última tentativa de sexo ele me perguntou se eu não estava com saudade e se não o queria, pela primeira vez na vida de casado fui sincera e disse a ele que sentia vontade. Eu o amo, sinto falta dele quando não está, sinto saudade da companhia dele, das conversas, de dormir juntinhos, mas não sinto falta do sexo, mas ele não entende e suspeita que tenho outro homem. Sinto que meu casamento está encaminhando para nova separação e iss eu não quero, mas sei também que não é justo com ele, sinceramente não sei o que fazer.

  13. Adriana

    Boa tarde Ana, excelente artigo, até o momento não havia percebido que posso fazer parte dessa classe ” os assexuados “, pois é, me identifiquei com a história do Fernando, vou buscar m ais informações sobre o tema. Obrigada. Abraços

  14. Eduardo

    Oi, tenho 27 anos e minha namorada 26. Estou terminando o namoro de quatro anos e meio, devido a falta de sexo. Minha namorada sempre culpou o trabalho, faculdade, dor de cabeça e que logo que isso acabasse ela iria “me dar mais atenção”, mas mesmo nas férias arruma motivo p/ não fazer sexo. No começo acreditava nas desculpas, mas quando a paciência acabou ela me confessou que eu não fui o único a reclamar, que ex-namorados dela também reclamavam. O sexo só foi bom quando ameaçava terminar, mas me sentia um lixo quanto olhava pra ela alí, fazendo aquilo contra a vontade. Se ela tivesse me dito isso desde o início, nosso namoro não teria se arrastado por tanto tempo. Então peço a todos assexuados(as), que abram o jogo com seus parceiros, pois percebi em alguns comentários que o parceiro tenta mudar até se casar e casamento não vai mudar nada. Hoje me sinto um idiota, por ter sido enganado todo esse tempo.

  15. Alves

    Oi, muito bom o texto!
    Tipo parece que foi escrito pra mim rsrsrs. Tenho 20 anos e nunca pratiquei nenhum tipo de relação sexual,tenho repulsa só em pensar. Muitas vezes me excito mas na prática sexual não encontro interesse nenhum. Muito acham que sou gay, mas eu sei que não sou! Muito estranho isso, sou assexuado?

    Desde de já, agradeço a atenção!

  16. ELLA

    Olá, eu não era assexuada, eu estou assexuada. Não me sinto nem frígida e nem frustrada. Esse espaço é muito importante, pois nos faz ver que não somos ET’s e existem sim pessoas que sentem o mesmo que nós. Na verdade, estive em outro site, e fiz meu desabafo. Não estou desgostosa da vida, só pq não tenho sexo, aliás, posso ficar sem sexo e vivo muito bem, sou feliz assim. Sou jovem 39 anos, divorciada e não tenho nenhum trauma. Tive orgasmos maravilhosos, mas só que agora não sinto falta deles.

  17. gstavale

    Ola!! tenho 46 anos, fiquei casado durante 22 anos, tenho 3 filhos e estou a 3 anos separados. Durante este periodo, me relacionei com algumas mulheres mas nao levei nada a serio. O fato e que ficava algumas semanas e sempre caia fora em seguida. Hoje, estou me sentindo meio deprimido com esta situação. Em 2 casos, ate deu vontade de prosseguir, mas nao tive coragem. Pinta um sentimento de culpa, de traição.. Acho que no fundo, ainda nao consegui cortar o cordao umbilical da minha ex e filhos, ou seja, da minha familia enquanto casado. Nao tenho sentido vontade de me relacionar com ninguem atualmente. Sera que estou ficando assexuado? pior e que as cobranças, zoação acontecem(ih.. esse cara ta virando gay…), e isso as vezes me deixa mal. To me sentindo meio brochado tambem. Seria o caso de procurar ajuda profissional?

  18. diogo berguen

    Boa tarde. Meu nome é Diogo e acredito estar casado com alguém assexual. Isso tem sido um grande transtorno à quase seis anos, haja vista que nossas necessidades não são compatíveis. Tenho pesquisado muito o assunto já há algum tempo no intuito de compreender melhor a natureza assexual, e quando me deparei com tantas experiências não pude deixar de notar as similaridades com o comportamento de minha esposa. A princípio pensei que fosse simplesmente falta de atração por mim, mas hoje vejo que não é esse o caso. O mais triste de tudo é que minha esposa ainda não se deu conta de sua assexualidade, e por pressão de outros está desesperada procurando uma “cura” para seu suposto problema. Sei que ela me ama e que quer corresponder às minhas necessidades, mas hoje com maior conhecimento sobre o assunto penso estar cometendo uma violação da natureza de minha esposa todas as vezes que tentamos fazer sexo. A situação chegou a tal ponto que não sinto mais atração sexual por ela, embora não tenha deixado de ama-la. Por princípios pessoais não penso que relações extra conjugais sejam a solução, e nem tampouco acredito que ela aceitaria se sujeitar a essa condição. Estou sofrendo muito com tudo isso e não vejo uma solução para esse problema. Gostaria de saber se há alguém em situação semelhante e como tem lidado com isso.

  19. Escorpiana

    Ola!Então,eu sempre gostei de sexo,mas depois que tive minha bebê eu perdi o interesse.O pai dela me abandonou quando ela tinha 3 meses,e eu estou sem sexo há quase dois anos.Eu me masturbo bastante,mas não sei bem se tenho vontade de fazer sexo com outra pessoa.Eu as vezes fantasio,chego a conversar com rapazes,mas ainda não tive coragem de concluir o ato.Sei que não sou assexuada,estou assexuada.Mas gostaria de me livrar dessa culpa de achar que não tenho direito de transar por ter uma bebê.Me livrar desse bloqueio e conseguir fazer um sexo sem culpa!O que eu faço?

Trackbacks/Pingbacks

  1. Tweets that mention Terapia em dia » Assexualidade: a indiferença à prática sexual. -- Topsy.com - [...] This post was mentioned on Twitter by Felipe Felix, Analu Carbos. Analu Carbos said: @angbismarchi Angela...dá uma lida nisso …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail