Tipos psicológicos

May 30, 2010 by

Dentro da psicologia existem vários modelos para definição de tipos de personalidade. Dentro da teoria corporal eu já falei sobre alguns tipos (que são descritos como tipos de caráter) como o oral, masoquista, esquizóide, narcista, e ainda tenho outros para falar.

Mas hoje eu gostaria de falar um pouco sobre os tipos psicológicos descritos por Carl Jung. Existem 16 tipos, que são organizados de acordo com a atitude introvertida ou extrovertida e as funções psicológicas mais utilizadas pela pessoa – pensamento, sentimento, intuição e sensação. As atitudes combinadas com as funções geram 16 possibilidades de personalidade.

Vou começar falando sobre a atitude: ela pode ser introvertida ou extrovertida. Mas o que isso quer dizer?

Vou explicar: não é bem o que o senso comum diz. Ouvimos por ai que os introvertidos são os tímidos e os extrovertidos são aqueles que socializam bem. É quase isso, mas muito mais complexo.

Introvertidos são aqueles que se orientam mais de acordo com suas impressões pessoais. É como se fosse alguém que tem mais contato consigo mesmo do que com o ambiente à sua volta. Vou dar um exemplo: quando um introvertido assiste um filme ele fica muito mais ligado nas impressões internas que o filme causa nele do que nos detalhes, na sequência, nos diálogos, figurinos, e todos os outros elementos do filme. O introvertido não vai saber te relatar os detalhes do filme, mas vai saber dizer das impressões e relações que teve a partir dele.

Já o extrovertido opera no sentido oposto. Ele está em conexão com seu ambiente. Percebe o que as pessoas sentem, pensam, desejam. Mas poderá ter dificuldades em dizer coisas sobre si – o que sente, o que pensa e o que deseja. É alguém que se orienta por fora, e que gosta de estar em contato com os outros. Extrovertidos extremos não gostam de ficar sozinhos, pois como não conseguem se guiar pela introversão podem cair num vazio, como se não tivesse nada que os orientasse por dentro.

Cada atitude traz consigo vantagens e desvantagens. Não existe uma melhor que a outra. No senso comum tendemos a condenar o introvertido, mas penso que está na hora de extinguirmos esse preconceito. Acho que a grande vantagem desse tipo de personalidade é a estabilidade que ele pode ter. Quando nos orientamos pelo ambiente corremos o risco de sermos instáveis, já que as fontes variam conforme mudamos de um lugar para outro.

Agora vamos ver um pouco das funções. Na definição dos tipos organizam-se as funções de acordo com o grau de desenvolvimento de cada uma na pessoa. Todos temos as 4 funções, e sempre uma será preponderante, ou seja, aquela que utilizamos mais para nos adaptarmos no mundo. Normalmente utilizamos mais duas auxiliares e temos sempre aquela que é a função inferior – ou seja – a menos desenvolvida.

As funções são:

Pensamento – é a função racional, objetiva, analítica. Os que tem o pensamento como função principal terão a função sentimento menos desenvolvida.

Sentimento – essa é a função que atribui valor às coisas e às pessoas. Um tipo sentimental tende a relacionar-se bem e a lidar com o ambiente a partir de seus sentimentos bem desenvolvidos. A função inferior desse tipo é o pensamento.

Sensação: utiliza os órgãos do sentido. São objetivos, se atem aos fatos. Não existe espaço para especulações com as pessoas que tem essa função como principal, pois são muito concretas. Acreditam naquilo que é facilmente observável. A função inferior de que tem a sensação como função principal é a intuição.

Intuição: É como se fosse a percepção do mundo através do inconsciente. Uma percepção desfocalizada, capaz de prever acontecimentos gerais, sentir subjetivamente o ambiente, compreender amplamente coisas que não estão claras, não são observáveis e mesmo assim são verdadeiras. Quem tem essa função desenvolvida precisa manter uma abertura grande para perceber elementos tão subliminares, logo será alguém que tem dificuldade em lidar com coisas concretas, observáveis, fatos.

Um bom terapeuta deve ter em mente que o ideal é que a pessoa tenha fluidez e possa utilizar todas as funções psicológicas para adaptar-se ao mundo de acordo com a necessidade. Sendo assim, é importante identificar quais são as funções desenvolvidas e quais são aquelas que ainda precisam se desenvolver.

Nos próximos posts falarei mais sobre cada tipo, características, e tudo mais!

Um abraço a todos!

Comentários

  1. Ole1!Je1 algum tempinho k ne3o te vinha visaitr, por isso os meus parabe9ns atrasados.Nf3s me3es fazemos sempre o que nos parece mais correcto, mas sempre com imensas dfavidas. Simplesmente sf3 queremos o melhor para eles e esperamos que um dia eles nos agradee7am.Uma boa semana.Bjinhos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba as novidades do Terapia em dia por e-mail